09/08/10

Curzio Malaparte

" (...) e no ar húmido e quente errava ainda um cheiro seco de madeira queimada e de fumo frio. O céu estava cinzento , semelhante a um céu de papel sujo com manchas de húmidade."
(Curzio Malaparte in "A pele")


Sem comentários: