26/03/09

"(...) Mesmo hoje, nos intervalos dos livros, penso na morte da bezerra ou seja, não penso em nada, espero. (...)"
[António Lobo Antunes em "Orações soburdinadas", crónica VISÃO, Março 2009]

Sem comentários: